Os silêncios

Os silêncios em nosso coração, em nosso olhar. A eles é que devíamos dar ouvidos. Há imensa coragem nos discursos nunca discursados, nas ideias nunca idealizadas, nas palavras mudas dentro do peito. Falar, isso é mais difícil, requer perder o medo que nos assombra. Por nos acomodarmos ao barulho que nos rodeia, tendemos a esquecer a força dos silêncios. Mas são eles que fazem muitos corações pararem, muitos pulmões cessarem de fornecer ar, muitos olhos deixarem de ver... Devemos ouvir mais os silêncios, com a coragem de interpretar a linguagem muda que tanto nos diz. Deveríamos ter a coragem de enfrentar a dor que o silêncio carrega e que o barulho quer tornar sem sentido. Os silêncios são os gritos da alma. Só ouvidos atentos podem ouvir - e mesmo assim, é preciso querer. Os meus silêncios andam ao meu redor, volta e meio os ouço - às vezes, choro, às vezes, corro. Às vezes, como milhões de pessoas no mundo, finjo que não estão lá. Só pra trombar com eles na próxima esquina, pois há de convir que eles nunca fogem de nós. Preciso ter a coragem do Mestre, que após cada batalha da vida, enfrentava os seus. Ia ao monte sozinho para orar, escondia-se do povo esbaforido por milagres, ia para o deserto... Talvez seja fato que só quem enfrenta primeiro seus próprios silêncios pode depois andar sobre as águas. Se ao menos conseguimos tirá-las de dentro das almas, do entorno dos olhos, podemos andar por cima delas - e até chamar os outros a fazer o mesmo...

Comentários

  1. Hideide

    Desejo a você e a todos de sua família um Feliz Natal. Que o Natal represente o renascer de Crito em nossos corações a cada dia de nossas vidas.

    Desejo também a todos vocês um 2010 ricamente abençoado por Deus. Que o trabalho de vocês receba as mais ricas bençãos de Deus

    Luiz Felipe Lehman

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O sonho de Jacó (Gênesis 28.12)

Isaías 6.1-8 A brasa do altar

Pagar o preço