Esperando o concílio geral

Acho que sou meio doida, mas continuo tendo esperança. Esta semana, nos reunimos para debater sobre o concílio geral e as propostas. Pela segunda vez neste conclave, confesso que, da outra vez, voltei para casa como o soldado depois da guerra: ferida, magoada, indignada, desesperançosa, porque a gente ficou discutindo um monte de periferias ao invés de ir ao principal.
Mas estou sonhando de novo, não adianta! Algumas coisas bem radicais precisam acontecer para que nossa igreja, com tanto potencial, com tanta capacidade, com tantos servos e servas de Deus, possa, realmente, ser relevante neste mundo de tantas insignificâncias religiosas... Temos um ótimo discurso, mas ainda nos falta achar o caminho das pedras. Acho que deveríamos fazer como Jesus disse. Nós pensamos que vemos e nisso subsiste o nosso pecado. Devemos colocar as vendas nos olhos e pedir a Deus que nos tome pelas mãos e nos guie. Nossos olhos nos enganam, precisamos da visão de Deus!
Estou sonhando com uma igreja que consiga se livrar das estruturas (ou desestruturas?) do passado, que se libere do pensamento norte-americano enraizado (ou emaranhado) em nosso modo de ser, para nos ajustarmos à nossa realidade. Não somos uma igreja grande. Mas também não estamos como deveríamos estar. Estamos muuuuuuuuiiiiiito atrás! Temos bons pensadores, mas poucos práticos! Temos de abrir os olhos e aprender com quem está fazendo direito. Não somos os únicos que sabem (será que sabemos algo?).
Deus, eu peço, livra-nos deste falso conhecimento... Dá-nos graça! Levanta homens e mulheres menos comprometidos com as estruturas e verdadeiramente engajados na pregação. Ajuda-nos a olhar para as pessoas, como disse o bispo Roberto na reunião, menos por causa de seu carisma, de sua pregação envolvente e mais por seu caráter, por sua verdadeira vida em família e na igreja, pelos frutos de seu ministério, pelo que as pessoas realmente dizem que estes homens e mulheres são... Não nos deixe enganados a respeito de nós mesmos, como líderes, mas derruba-nos, se necessário for, para que fiquemos de pé somente pela graça e não por nós mesmos...

Senhor, apesar de minha insistencia em sonhar, dá-me visão... Apesar de minha insistência em sonhar, dá-me discernimento. Apesar de minha infantil esperança, ou mesmo por causa dela, me dá a alegria de ver esta igreja como eu sonho... com gente de todo jeito, de toda forma, de toda cor, batendo palma ou não, falando em línguas ou não, sendo teólogo ou não, sendo progressista ou não, sendo carismático ou não... mas sendo todos teus filhos e filhas queridos, pecadores e pecadoras transformados, sendo crentes engajados, sendo cristãos de fato, de direito e de conversão, para honra e glória do Teu nome! Porque no Reino há lugar para todos e o Reino é maior do que a Igreja!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isaías 6.1-8 A brasa do altar

O sonho de Jacó (Gênesis 28.12)

Pagar o preço