Salmos e a questão do sofrimento

DOENÇA E SAÚDE NOS SALMOS
O tema proposto para nossa reflexão é a questão da saúde. É difícil falar sobre isso num salmo específico, pois o assunto rende muitos versículos no Saltério. A relação entre saúde, doença e morte é muito árdua para um povo que vivia sem vacinas, ou hospitais, em regiões inóspitas e sujeito a muitas doenças, além dos perigos dos animais e das guerras. Então, ao invés de um salmo específico, convido você a um estudo bíblico sobre o assunto, de modo mais abrangente.
Nos salmos, transparece a forma como a doença afeta a relação com Deus e a maneira de viver a fé nesses tempos de crise. A doença poderia ser vista como um castigo de Deus, visão esta muito comum (veja Jó 2.4). Algumas doenças eram especialmente temidas. A lepra e alguns distúrbios mentais levavam ao isolamento total do indivíduo. Outras doenças como paralisias e defeitos congênitos poderiam levar à mendicância. E ainda havia aquelas que geravam a desqualificação cúltica de seus portadores.
As causas das doenças no Antigo Testamento estavam em diversos níveis. Ao ler-se o Sl 38, pode-se observar que uma delas era o pecado: "Iahweh, não me castigues em tua cólera, não me corrijas em teu furor. Tuas flechas penetraram em mim, sobre mim abateu-se tua mão: nada está ileso em minha carne, em tua ira, nada de são em meus ossos, em meu pecado." (Sl 38.2-4)
O sentimento do salmista é bem descrito por A. Weiser, quando afirma: "Percebeu claramente a sua situação desesperadora entre a ira de Deus e a opressão do seu pecado. Assim, vê na doença um castigo merecido. A tremenda seriedade de sua situação transparece do fato de o orante ter a impressão de estar ameaçado de morrer, afogado no mar da culpa ou de sucumbir sob o enorme peso do pecado" (WEISER, p. 238).
Outro exemplo desse sentimento aparece no Sl 6. 2-4 e ainda no salmo 31.11. Mas ainda há casos em que a doença não possui uma causa aparente e o salmista se justifica diante de Deus, pedindo defesa. Na teologia, são os escritos que se interpretam a partir da perspectiva do “sofrimento do inocente” – caso clássico de Jó.
O conceito da doença como castigo de Deus pelo pecado encontra também respaldo em várias listas de bênçãos e maldições encontradas na Lei, que condicionavam o recebimento da graça de Deus a uma vida de acordo com seus princípios. Caso contrário, o castigo certamente viria, sob a forma de doenças ou de calamidades nacionais. No caso do homem cego, em João 9, é com esse pensamento popular que Jesus lida quando afirma que ninguém pecou para que o homem nascesse cego. Ali, Jesus transforma a calamidade em oportunidade...
Doença e forças malignas
Um dado importante é que, no mundo dos salmistas, a atuação das forças malignas depende de Iahweh. Um exemplo é o relato da doença mental de Saul, quando o escritor diz que da parte de Deus é que vinha o espírito maligno. Por isso, nesses casos, o clamor é insistente para que Deus elimine a doença (ou qualquer outro fator de sofrimento), haja vista ser Ele o causador dela, como o salmista confessa: "Afasta a tua praga de mim, eu sucumbo ao ataque de tua mão" (Sl 39.11) ou o exemplo ainda mais claro em duas citações de Jó: "O Senhor deu, o Senhor o tirou." (Jó 1.21) e "Sempre aceitamos a felicidade como um dom de Deus. E a desgraça? Por que não a aceitaríamos? (Jó 2.10) Não se percebe referências diretas a demônios como causadores de doenças nos salmos. Esse conceito só aparecerá mais tarde.
Doença e morte
A existência da doença é prenúncio de morte. E o temor da morte é algo patente nos salmos. A morte significa o fim de toda relação com Deus, o fim de todos os projetos e planos. A esperança do salmista era a de receber de Deus a resposta a seu pedido enquanto ainda vivesse, ou seria tarde demais (Sl 27.13).
Assim, o homem do Antigo Testamento esforça-se por preservar a vida e acabar com as ameaças a ela. Há indícios de atividade terapêutica em diversos relatos vétero-testamentários. Os próprios sacerdotes eram diagnosticadores de doenças e até mesmo profetas, como Elias e Eliseu, realizaram atividades semelhantes e indicaram remédios. Mesmo assim, as doenças cuja natureza indicavam a ausência de cura ou levavam à crença da presença de forças malignas eram motivos de grande angústia.
A morte
O conceito de morte vétero-testamentário é por demais diferente do conceito do cristianismo atual; por isso, este tema merece um pouco mais de atenção, a fim de se reverem algumas das interpretações correntes sobre muitos salmos que se referem à morte.
Os mortos, no pensar do homem hebraico, são impuros. Tanto é fato isto que diversas purificações deveriam ser feitas pela pessoa que tocasse um cadáver ou o lugar onde o cadáver estivera. Um sacerdote não poderia de forma alguma contaminar-se por um morto que não fosse seu parente direto. Nem por uma irmã casada poderia contaminar-se, mas apenas se esta fosse virgem. A ordem expressa de Iahweh era a de não ferir o corpo nem marcar-se por causa dos mortos. Feiticeiros e necromantes eram condenados à morte, pois os mortos não deveriam ser invocados, sob nenhum argumento. Um único caso relatado na Bíblia sobre isso é o do rei Saul, quando procurou falar com Samuel ante o abandono que sofrera da parte de Deus. A resposta do fantasma foi a mesma que ele já conhecia.
Essa narrativa mostra que "dos espíritos dos mortos não se pode esperar nada que ultrapasse aquilo que os mensageiros vivos [e a palavra deixada pela Lei e pelos profetas] atestam". (WOLFF, 1975, p. 144). Nos livros da Lei, toda prática de invocação do poder ou da volta dos mortos é proibida. O culto de Iahweh é totalmente contrário a todo culto aos mortos, sendo mesmo intolerante a esse respeito. Essa oposição faz frente às religiões dos povos em redor de Israel, onde os mortos eram venerados e os deuses também possuíam certas festas onde se chorava sua morte ritual e celebrava-se seu novo nascimento. Também como relato desse tipo de crença, pode-se lembrar o Fênix da mitologia grega, o qual morria consumido em chamas, para nascer de novo das próprias cinzas. A morte, assim, era algo sagrado para os povos vizinhos de Israel.
Justifica-se, portanto, tanto empenho de Iahweh em combater tais práticas. Ele é "o Deus dos vivos" e o "Deus que vive para sempre", o "Deus vivo". E também por esse motivo, os mortos são considerados impuros, pois não têm, nem mesmo podem ter, comunhão com Iahweh, estando desqualificados culticamente.
É importante, pois, verificar o que é estar morto, na concepção israelita. A ameaça da morte, como já foi dito, era evitada a todo custo. A vida sempre era defendida por estar em conexão com Deus. No mundo dos mortos, não há lugar para realização alguma (Sl 88). Assim, conclui H. Wolff, há uma oposição entre o homem vivo que pode louvar a Deus e o homem morto, excluído do louvor a Deus. Abandono e solidão também são formas de morte. Portanto, viver, no Antigo Testamento, significa ter relacionamento. Especialmente, relacionamento com Deus. Esta visão da morte vai alterar-se quando do advento do cristianismo, especialmente quando a influência do pensamento grego acentuar-se ao longo da história.
Apesar de afirmar que o morto é, por natureza, impuro e negar-se a qualquer tentativa de aproximação entre o mundo dos vivos e dos mortos, o homem vétero-testamentário tem a convicção de que a morte não é um poder autônomo. Para ele, o mundo dos mortos não tem um senhor independente. Um vazio surge nessa linha de pensamento, que os fiéis a Iahweh buscam responder através de sua fé. Seu primeiro passo é, em face da morte, buscar o Deus que é a fonte da vida: "pois a fonte da vida está em ti, e na tua luz nós vemos a luz" (Sl 36.10). "Responde-me depressa, Iahweh, pois meu alento se extingue. Não escondas tua face de mim, eu ficaria como os que baixam à cova". (Sl 143.7)
E apesar disso, os salmistas creem que apenas Deus ordena a entrada de alguém à sepultura ou coloca a pessoa em condição de morte (em situação de miséria, perseguição, abandono, grave enfermidade, etc.): "Puseste-me no fundo da cova em meio a trevas nos abismos". (Sl 88.7) e "tu me colocas na poeira da morte" (Sl 22.16b).
Supera-se a aflição da morte pela certeza de que a comunidade de Iahweh não seria destruída da face da terra por causa da fidelidade de Deus, baseada no legado das promessas recebido dos antepassados e transmitido de geração em geração. Ficar sem memória é verdadeira morte, pois para o homem véterotestamentário, "a tua graça [de Deus] é melhor que a vida" (Sl 63:4). Daí volta-se também à necessidade de garantir uma grande posteridade através de muitos filhos.
Outra possibilidade surgiu com as reflexões sobre arrebatamento/ressurreição, a partir de casos como o de Elias e Enoque. O salmo 73 dá uma pista nesse sentido ao afirmar: "Tu me conduzes segundo os teus desígnios, tu me levarás atrás da Glória. (...) Quanto a mim, minha felicidade é estar perto de Deus; refugiei-me junto ao Senhor Deus, para anunciar todas as suas ações." (Sl 73.24, 27-28)
Sobre isso, A. Weiser comenta que "ele constrói sua esperança para todo o futuro, inclusive para além da morte. Pois com as palavras 'e com tua glória me atrairás' dificilmente se poderão interpretar, depois do que precede, com referência ao término dos sofrimentos nessa vida; pelo contrário, parecem expressar a esperança do estado consumado da comunhão com Deus depois da morte, o que se insere sem dificuldades na sequência dos pensamentos. A fé sabe que a vida marcha rumo a uma glória oculta e que os sofrimentos deste tempo não se podem comparar com a glória que se revelará depois na eternidade. Até a morte não se constitui nenhum limite para essa esperança. A partir do eterno presente de Deus a fé supera a morte."(WEISER,  p. 149)

Os salmos nos reforçam que a finitude da vida faz parte do caráter de criatura que o ser humano possui. Por isso, a vida deve ser valorizada, protegida, defendida contra toda a ameaça e respeitada. Ela é o local da revelação de Deus, a oportunidade de render-lhe louvor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isaías 6.1-8 A brasa do altar

O sonho de Jacó (Gênesis 28.12)

Pagar o preço