Pentecostes: restabelecendo a comunicação

Entre os teólogos, há certo consenso de que Atos 2.1-11 marca o início da era cristã, pois se trata da sinalização do Reino de Deus pelo testemunho da Igreja. A partir desse evento, Deus atinge toda a humanidade, restabelecendo, assim, a comunicação que desejara ter com o ser humano, desde a criação. Por meio do Pentecostes, a raça humana é convidada a se tornar novamente parceira de Deus nesse anúncio, levando o Evangelho de Cristo a todos os confins da terra.
Atos 2 nos faz lembrar Gênesis 11.1-9. De fato, são textos em paralelo. Suas mensagens são opostas, mas partilham contextos semelhantes. Em Gênesis, se narra que em toda a terra se falava apenas uma língua (11.1). Motivados pela fala comum, os povos se reúnem para construir uma torre, a fim de celebrizar seu nome e gerar fama (v.4), para dominar sobre outros povos. Têm na torre, “cujo topo chegasse ao céu”, a chave de seu poder. A intervenção de Deus acontece “para que um não entendesse o outro” (v.7). Para eles, a comunicação era a chave do poder. Sem ela, se espalham por toda a terra; perdem sua unidade.
O evento do Pentecostes pretende restabelecer a comunicação de Deus com todos os povos da terra. À dispersão de Gênesis se opõe agora a agregação dos povos em torno das maravilhas de Deus, entendidas em cada idioma. A redenção em Jesus Cristo é comunicada a todo o mundo, destaca Pedro (Atos 2.22-24, 36). A comunhão promovida pelo Espírito Santo pode restaurar a comunicação entre os seres. Todos se rendem à boa notícia das grandezas de Deus (Atos 4.32-33; 1 Coríntios 12.25).
E ainda: o Espírito se manifesta, em Atos 2, como “línguas de fogo”. O fogo, em toda a Bíblia, está muito ligado às aparições e visões de Deus (por exemplo, a sarça ardente em Êx 3.2-3). Por outro lado, a língua é instrumento de comunicação humana por excelência. O fato de aparecerem línguas como de fogo sobre os discípulos ressalta que o dom do Espírito excede a edificação pessoal.

Resta a nós, a exemplo da comunidade primitiva, sermos obedientes à sua Palavra. Assim, se cumprirá em nós, dia-a-dia, a promessa do Espirito Santo, a fim de que sejamos testemunhas das suas grandezas onde quer estejamos. Pelo Espírito, tornamo-nos porta-vozes da sua Palavra, veículos de comunicação de Deus a quem Ele nos enviar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isaías 6.1-8 A brasa do altar

O sonho de Jacó (Gênesis 28.12)

Pagar o preço