A dança e a música (sermão de casamento do Fabrício e da Fernanda)


Andarão dois juntos se não houver entre eles acordo? (Amós 3.3)

Estando hoje diante de vocês, um músico e uma dançarina de Deus, que se unem no casamento, só pude pensar que pelo menos neste ponto vocês já começam bem: ambos conhecem o ritmo, possuem uma relação íntima com a melodia, sabem contar os tempos e reconhecer as notas. A vida tem que ter musicalidade. Uma vida sem música é uma vida sem poesia. Quando Erasmo de Rotterdan disse que “o amor ensina música”, deve ser porque muitas das melodias mais lindas deste mundo nasceram no coração de pessoas apaixonadas. Gente que soube amar profundamente, quer esse amor fosse por outra pessoa ou mesmo pela vida, pelas coisas bonitas que podemos ver ou até mesmo o amor pela música em si. É verdade, a música é assim mesmo, sobrenatural, divina como nosso Senhor, pois com apenas sete notas se fazem todas as melodias que existem e aquelas que virão a existir e, mesmo assim, as músicas conseguem ser tão completamente distintas entre si.
Beethoven compôs sua obra mais conhecida, a 9ª Sinfonia, quando sua surdez já estava em estágio avançado e o tema dessa composição é a alegria. A partir do poema de Friedrich von Schiller, a Nova Sinfonia exalta a criação de Deus e convida todas as pessoas a fazer o mesmo, a reconhecer o poder de Deus. É interessante tanto a fé que ele expressa quanto a tragédia que ele vivia naquele momento. Mas Beethoven pôde continuar a compor porque a música já estava dentro dele. Já nem precisava ouvir com os ouvidos, porque os ouvidos da alma já estavam afinados ao toque do piano que havia em seu coração.
Assim também deve ser com vocês dois. Existe uma melodia que Deus compôs para a vida de vocês. Quem souber tocar, que a toque; quem souber dançar, que a dance e o espetáculo poderá ser igualmente grandioso: a felicidade de vocês, esse é o tom da canção que o Criador compôs. As notas que ele usa para isso são a amizade, o convívio, o amor, o companheirismo, a cumplicidade, os projetos, a vida sexual e afetiva que vocês construirão daqui para a frente. Cada nota dessas é igualmente relevante. Se uma soar fora de tom, certamente a melodia pode ficar prejudicada. A corda pode arrebentar-se e a coreografia pode sair do compasso.
Por isso, na melodia que o Criador compôs para a vida de vocês, uma só coisa não pode faltar: harmonia. Você, Fabrício, sabe que a harmonia tem a ver com a capacidade dos vários instrumentos de uma banda se equilibrarem para dar força ao conjunto da canção. Conquanto um instrumento ou outro possa fazer um solo de vez em quando, é preciso que os outros estejam ali para fazer “a base”, dar o suporte. Logo a seguir, terão que tocar juntos outra vez. Se um quiser “aparecer” mais do que o outro, a harmonia já era e a música vira barulho, sem ordem, sem mensagem e, por fim, sem ouvinte!
E você, Fernanda, sabe que a harmonia tem a ver com dar o passo que a melodia sugere, erguer os braços no momento certo, girar o corpo conforme o compasso e encerrar os movimentos exatamente quando a música chega ao final. Sem interagir com a música, a coreografia vira loucura, os gestos não fazem sentido. Por isso, George Balanchine afirmou: "Dança é música feita visível", sim porque a dança é um jeito de a gente “ver” a música. Deus colocou em você a capacidade de dançar e, num casamento, é mesmo muito importante “dançar conforme a música”, porque haverá momentos em que você terá de acelerar o ritmo para atender às dificuldades e desafios da vida a dois. Mas, em outro momento, terá de valsar levemente com a vida, aproveitar o momento, entregar-se ao som e viver a felicidade de um pequeno momento, estender o movimento dos gestos de amor.
Sábio era o profeta, que disse: “Andarão dois juntos se não houver entre eles acordo?” Como um poderá executar a canção sem que o outro dance? E como poderá alguém dançar se não houver quem toque? Essa é a partilha da vida, a maior exigência de um casamento: saber partilhar, saber falar e calar, saber ouvir e ajudar, saber estender a mão e suportar, saber dizer a verdade sem deixar de amar. Cantando e dançando, isto é, partilhando a vida a dois com os talentos que vocês têm, nós desejamos que vocês passem a sua existência conjugal em acordo, o mesmo tipo de acordo que existe entre a partitura e a guitarra, entre a orquestra e o maestro, entre o som e o movimento de quem dança. A vida de vocês poderá ser um grande espetáculo. Poderá ser maravilhosa além de todas as maravilhas deste mundo, porque o Compositor não é outro senão aquele que criou a própria música e hoje convida vocês dois a cantar e dançar na presença dele, a viver a vida com arte, não com mediocridade, com indiferença, com desamor.
Se vocês dois souberem, a cada dia, ouvir a melodia que Deus compôs para vocês, se forem fiéis intérpretes da canção, se forem sensíveis à dança a que esta canção convida, então vocês serão felizes, mesmo se outros barulhos interferirem na canção. Porque se vocês conseguirem isso, então serão como Beethoven: nem o silêncio mais profundo impedirá a música de ser ouvida na vida de vocês, porque quem crê em Deus não depende das circunstâncias para ser feliz: a música vem de dentro, não de fora. E isso é que faz toda a diferença.
O que desejamos a vocês é que andem juntos na presença do Senhor. E esse acordo, que tornará isso possível, é vocês saberem que não são iguais, nem precisam ser. Que vocês não precisam ter o mesmo ponto de vista sobre tudo, mas saibam andar no mesmo caminho. Que, ouvindo a música que o Senhor compôs para vocês, vocês consigam manter a harmonia em seu lar. Que haja na vida de vocês o mesmo acordo que existe entre a música e a dança. Se fizerem isso, tenho certeza de que o Senhor, do seu trono, se inclinará para abençoar suas vidas e fazer delas um grande espetáculo, capaz de emocionar a cada um de nós, que hoje aqui, de certo modo, compramos ingresso para assistir ao musical que hoje começa: o show não pode parar... Aceitem a regência do Pai a cada dia, e estejam preparados, pois para nosso Deus, na vida dos que são fiéis a ele, só existem “gran finales”... Que a vida de vocês seja como os versos finais da Nova Sinfonia de Beethoven, cuja letra é um testemunho e diz:
Irmãos, além do céu estrelado
Mora um Pai Amado.
Milhões se deprimem diante Dele?
Mundo, você percebe seu Criador?
Procure-o mais acima do céu estrelado!
Sobre as estrelas onde Ele mora.

Comentários

  1. Estimada Pastora,

    Aportei hoje ao seu blogue, vindo atrás de um comentário seu num outro blogue.

    Sou Viviana, vivo nos arredores de Lisboa - Portugal.

    Crente em Jesus Cristo, nascida em lar crente, mulher e irmã de pastor baptista.

    Tenho 67 anos, enfermeira aposentada, mãe de 4 homens e avó de sete netos.

    Depois desta apresentação, quero dizer-lhe que achei este Sermão de Casamento belíssimo!
    Que maravilha!
    Enquanto lia imaginava-me no meio da assistência a ouvir.
    Gostava de poder observar a expressão dos rostos.

    Desejo para si, para a sua família e seu ministério bençãos sem fim dos altos céus.

    O meu abraço mui fraterno

    Viviana

    ResponderExcluir
  2. Qualquer coisa não ficou bem, pois houve letras sobrepostas.
    Como não dá para clicar no meu endereço, eu o deixo aqui:

    www.olhaioliriodocampo.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Isaías 6.1-8 A brasa do altar

O sonho de Jacó (Gênesis 28.12)

Pagar o preço