Viver pela fé

Viver pela fé, esta foi a grande descoberta de Martinho Lutero, responsável por sua conversão e por elevá-lo à categoria de reformador. É bem verdade que um conjunto de fatores históricos, sociais e espirituais contribuiu para que ele fosse a pessoa certa, no lugar certo, a fim de promover a renovação que a Igreja, caída nas trevas do obscurantismo e da tirania eclesiástica e política, estava necessitando profundamente. Mas Martinho não foi reformador sozinho. Antes dele, contemporaneamente e também depois, muitos outros homens e mulheres deram sua contribuição para manter a renovação na vida da Igreja, de modo que a fé não fosse engessada pela estrutura.
Temos uma tendência perigosa escolher e eleger líderes que, vistos isoladamente, são marcos, “estrelas” e “salvadores da pátria”. Esperamos que apareça alguém que resolva o problema, que reforme a Igreja. Um pastor, um bispo, um evangelista, um líder... alguém que resolva o problema. Mas a vivência da Igreja não se dá a partir de pessoas isoladas, mas da ação comunitária. Na Bíblia, especialmente no livro de Juízes, vemos que o surgimento de um novo líder era para responder às aspirações e movimentos já presentes no meio do povo. Ele era um representante, um porta-voz, um condutor, um organizador do povo. Não era quem iria resolver os problemas sozinhos – apenas dar a voz de comando que concentraria as esperanças de toda a nação.
Essa falsa ideia de libertador foi combatida até mesmo por Jesus. Na estrada de Emaús, os discípulos disseram: “Achávamos que era este que fosse libertar o povo”... O cristão, porém, não é alguém que fica esperando que alguém faça o trabalho. Ao contrário, pela fé, ele se dispõe a fazer o que é preciso. A pessoa cristã não precisa de mártires, nem de estrelismo. Mas, quando surge um líder, tocado por Deus, comprometido com a obra, a comunidade vai com ele, não esperando que ele resolva os problemas. Pela fé, a comunidade dá as mãos e ouve o seu líder, aguardando dele orientação, não tutela; ensino, não cabresto; pastoreio, não tirania. Viver pela fé é viver juntos o projeto de Deus. Esta é a reforma da qual nós, a todo o tempo, precisamos.

Comentários

  1. Muito legal o seu blog... faça-nos uma visita!

    Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente a comunidade da qual sou membro e da qual estou afastada, tem vivido sob a tirania de uma lideranca que em momento algum pastoreia, mas impoe novos ritos e conceitos. O principio no qual fui doutrinada: Pense e deixe pensar, tem sido ultrajado por lideres que mercadejam a fe, obscurecendo a mente de desfortunados que nao conhecem a Palavra.
    Mas, minha fe renovou-se, gracas a Deus.
    Li dois livros: Evangelho Maltrapilho e Alma Sobrevivente, os quais reavivaram a minha fe em Cristo e me amadureceram, ajudando a libertar-me do jugo da igreja. Hoje estou "namorando" a igreja, e nao espero que ela faca algo por mim e comigo. Viverei a fe em Cristo , seguindo seus principios, perdoando os que me magoam e nao me colocando numa posicao arrogante por compreender a FE de formas diferentes das que a igreja, de um modo geral, tem apregoado.
    Gloria a Deus por sua vida,pastora Hideide e continue sendo profeta.

    Ana Guilhermina

    ResponderExcluir
  3. Clama a plenos pulmões, não te detenhas, ergue a voz como a trombeta e anuncia ao meu povo a sua transgressão e à casa de Jacó, os seus pecados - Isaías 58: 1
    Prezados irmãos
    Graça e Paz
    Estamos conclamando todos os cristãos a seguirmos o conselho do Profeta Isaias. Clamar a plenos pulmões e erguermos a voz como trombetas condenando a transgressão de nossos governantes e parlamentares.
    Diariamente lemos nos jornais e vemos nos noticiários os casos de corrupção, falta de ética de honestidade e de moral de nossas autoridades.
    Programas de governo institucionalizando a prostituição, a união homossexual, o aborto, a censura a imprensa, cerceamento da liberdade de expressão, cerceamento da liberdade de culto tem sido editados como decreto enquanto nós cristãos nos calamos e nos tornamos coniventes com todas estas transgressões.
    Deus colocou em nossas mãos a responsabilidade de elevarmos nossa voz profética contra este estado de coisas. Nisto temos falhado.
    Deus também nos deu um instrumento para que possamos erguer nossas vozes como trombetas, a internet.
    Este é o ano em que temos a oportunidade, de como o povo em Jericó, soarmos bem alto nossas trombetas e derrubarmos os muros da imoralidade, da falta de ética, da falta de honestidade, da falta de dignidade.
    Tudo poço naquele que me fortalece.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O sonho de Jacó (Gênesis 28.12)

Isaías 6.1-8 A brasa do altar

Pagar o preço