sexta-feira, 2 de julho de 2010

Pagar o preço

Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo. Filipenses 3.7

Uma frase vem ganhando cada vez mais expressividade entre os evangélicos capitalistas de nosso tempo: pagar o preço. Ela é de inspiração bíblica e de interpretação muitas vezes demoníaca... Tem suas origens nas Escrituras e sua deturpação em muitos púlpitos. No entanto, ela é autenticamente importante no contexto do discipulado...
Para muita gente, pagar o preço significa tentar comprar a bênção de Deus por mesquinharias humanas. Na Bíblia, pagar o preço é o que Cristo fez, cumprindo o que fosse necessário para que a vida humana fosse preservada, salva, resgatada e purificada do pecado.
Para muita gente, pagar o preço significa abrir mão dos seus prazeres pessoais, num falso ascetismo cristão, com o fim de alcançar algum benefício divino ou poder sobre a comunidade dos fiéis. Na Bíblia, pagar o preço foi o que o apóstolo Paulo fez, sendo açoitado, aprisionado, ferido, apedrejado, para que as pessoas de seu tempo pudessem ouvir a mensagem da salvação.
Para muita gente, pagar o preço significa deixar de fazer o que se quer, com o fim de obter alguma vantagem institucional ou eclesiástica. Para os primeiros cristãos, pagar o preço era ser o pária da sociedade, abandonando espaços e status para viver em catacumbas, com o fim de permanecer fiel a Cristo.
Para muita gente, pagar o preço significa desvalorizar a graça - "Deus não faz exigência alguma de nós", dizem eles, com isso abrindo mão da ética, da moral, do respeito aos valores mais elevados da vida. Deus não exige estas coisas dos cristãos - Ele o demanda de cada ser humano que, criado à sua imagem e semelhança, deve ver no outro e na outra tanto um reflexo de Deus como de si mesmo. Por isso é que Jesus disse: "Façam aos outros o que querem que seja feito a vocês..." A graça nos concede não a liberdade de fazer o que queremos, mas de ser capazes de fazer o que é preciso, tendo o outro e a outra como fonte do nosso amor, não do nosso sacrifício, neste sentido pejorativo com que se vê...
Temos, sim, de pagar o preço pela nossa fé, pelo nosso compromisso com Deus. Um preço que é o desagradar a nós mesmos... temos sido tão agradados por esta fé falseada e mercadológica, hedonista e egoísta, que desvalorizamos o alto preço que ela custa...
A Igreja e, nela, cada um de nós, deve ser convidada a repensar se deseja pagar o preço de servir a Cristo. Isso significa reconhecer o valor daquilo que temos. Esta é uma lição que aprendi na infância. Meus pais sempre me ensinaram a valorizar cada roupa, brinquedo e passeio, fazendo-me saber quanto aquilo tinha custado em termos de esforço, trabalho, dinheiro e tempo. Assim, eu não seria como o filho pródigo, desperdiçando aquilo que não era fruto do meu suor. Lição aprendida também para com a minha fé em Cristo - ela custou um preço alto ao meu Senhor. O preço que ele requer de mim é a fidelidade, o coração atento, a vida comprometida. Não é barganhar com a graça, mas dar a ela o seu devido valor... Observe seu proceder, sua forma de conduzir sua vida, os valores que a regem, a forma como as outras pessoas se referem a seu respeito: tudo isso mostra e realça o valor de Cristo e da salvação em sua vida? Caso contrário, você está barateando a graça, não está pagando o preço. Pagar o preço não é fazer sacrifício - é dar o valor devido, é viver à altura da graça... Paulo sabia disso ao declarar: Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo... Somos capazes de dizer o mesmo, num mundo que valoriza tanto o lucro, de qualquer natureza que seja? Esta é a reflexão que quero deixar para você no dia de hoje.

4 comentários:

  1. Efesios 2:8 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
    9 Não vem das obras, para que ninguém se glorie;
    10 Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.

    Uma coisa é você dizer que através de alguma obra é que alcançamos a salvação ou alguma benção, outra coisa, é dizer e reconhecer o que está escrito no texto acima, que fomos alcançados pela graça (ou seja sem nenhum esforço próprio), para agora sim, praticar as boas obras que Deus preparou. Quando Paulo foi açoitado ele não estava pagando o preço, porque você paga para obter, e na verdade os açoites foram consequência da comunhão de Paulo com Cristo, que pagou o preço.
    Essa expressão mesmo com muita explicação sempre vai colocar o homem no foco, no centro, sendo que é claro que não é, Jesus é o centro é tudo em todos.


    Com todas as considerações e respeito,


    Jonathan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, como vai? Creio que talvez tenha interpretado equivocadamente o que escrevi, mas também não sei se entendi seu comentário corretamente. Não estou falando em momento algum sobre ganhar a salvação por preço. Estou falando que o caminho do discipulado nos custa, sim. Viver à altura do presente. É como a menina pobre e suja que ganhou um vestido lindo. Para que a beleza dele aparecesse, sua mãe decidiu que era melhor que a menina tomasse um banho e arrumasse os cabelos. O vestido ficou lindo na menina limpa e arrumada. Então o pai disse que a casa estava muito feia para que uma menina tão limpa e arrumada vivesse ali. Ele reformou a casa e pintou-a com cores alegres. A vizinhança viu aquilo e decidiu que uma casa tão bonita não poderia ficar entre casebres largados. Todos puseram-se a trabalhar e plantar flores e decorar os espaços. Por causa do vestido presenteado, todo o mundo ao redor transformou-se. Ninguém pagou pelo vestido exceto a pessoa que o presenteou. Mas a presença do vestido fez com que todos pagassem o preço pela beleza dele. O preço não que o vestido valia. O preço de sairem de seu egoísmo pecaminoso, o preço de olharem para fora de si mesmos. É sobre isso que trata meu texto. Recebemos a salvação e ficamos com ela egoisticamente para nós. Podemos ser salvos, mas não somos galardoados pela dádiva de dar. Pagamos este preço a nós mesmos e a ninguém mais. Espero que isso esclareça o que eu quis dizer.

      Excluir
  2. Tenho ouvido tanto isso ultimamente. Pagar o preço como barganha com Deus, como forma de se obter bênçãos e com isso desvalorizando totalmente o sacrificio de Jesus. Até mesmo com a ideia de se tornar salvo. O texto nos faz repensar quais tem sido realmente nossas motivações, quando a matéria é servir a Deus e crescer na graça.

    ResponderExcluir
  3. Olá, meu caro.
    Quem está disposto a pagar o preço?
    O grande problema começa com está palavrinhas "preço". Há até heresias nesta questão. O que ocorre é que muitas vezes ao nos referirmos a assuntos complexos ( devido a necessidade de considerarmos outras questões, como a conformidade aos olhos de Deus) passamos a impressão de que o salvo é uma pessoa passiva, e não é. É verdade que todas as pessoas salvas devem pagar o preço para serem salvas. Que preço? Renúncia. Sem renúncia dos desejos da carne é impossível conformar-se ao padrão de Deus. Jesus pagou o preço pela obediência. Quando não obedecemos estamos deixando de renunciar-mos a nós mesmos. Mas o Mestre disse: " aquele que quiser vir após mim, renuncie a si mesmo, pegue a sua cruz e siga-me".

    ResponderExcluir

REVISÃO DE TEXTO COM PERSONALIDADE