Noé achou graça aos olhos do Senhor

A quem chamou Noé, dizendo: Este nos consolará acerca de nossas obras e do trabalho de nossas mãos, por causa da terra que o Senhor amaldiçoou. (Gênesis 5.29)
Noé achou graça aos olhos do Senhor. (Gênesis 6.8)

Nossa célula se propôs ao desafio de ler a Bíblia toda em um ano. Eu arrumei um caderninho com a disposição de escrever à mão algumas inspirações que os textos me trouxessem, como modo de pensar mais devagar, porque se eu fosse digitar tudo não caberiam no mundo os livros que seriam escritos dessas divagações bíblico-teológicas... mas vá.
Relendo o caderninho hoje, porque já estamos pelos meios do Êxodo (a jornada começou no dia 05 de fevereiro), vi algumas coisas que anotei sobre Noé e queria compartilhar com vocês, porque são muito bacanas... hehe!
Primeiro, a gente sabe que os judeus têm um lance com os nomes e as situações. Por isso, especialmente no AT, qualquer estudo de personagem vai passar necessariamente pelo significado do nome do sujeito. Este nome pode ser atribuído por um evento marcante, um desejo profundo ou qualquer coisa que fosse relevante no momento do nascimento.
Segundo o dicionário online de significados de nomes, "Noé é a variação em português do nome hebraico No'ah. É um nome bíblico que teria surgido a partir da palavra hebraica noach, que significa “descanso”, “repouso”, “de longa vida”. (https://www.dicionariodenomesproprios.com.br/noe/).
Quando vamos ao texto bíblico, percebemos que Lameque, pai de Noé, lhe dá este nome como um desejo de futuro. É um nome com uma bênção. Que Noé fosse uma pessoa capaz de romper ciclos negativos. No contexto das genealogias apresentadas, vemos que depois da expulsão de Adão do paraíso, a vida ficou muito dura. O princípio da geração dos alimentos é narrado sucintamente em Gênesis: a agricultura com Caim, a pecuária de pequeno porte com Abel. Como o povo de Israel futuramente se estabelecerá como pequenos fazendeiros e pastores de ovelhas e gado miúdo, é até interessante que estejam relacionados com Abel, cujo nome significa "fôlego, vapor, nada"... Os pastores são figuras descartáveis ao longo da história, vêm e vão, estão na base da atividade econômica mas não são relevantes no todo da sociedade primitiva (os trabalhadores braçais, de modo geral). Mas isso é outra história.
A história que eu estava contando era a de como eu me apercebi, de repente, que a bênção de Lameque sobre seu filho Noé, a partir do nome dele, moldou a trajetória do nosso primeiro herói bíblico. Noé viria para dar descanso depois de tempos difíceis, Noé viria para ser uma água fresca no deserto da terra amaldiçoada pela ausência de Deus. E a Bíblia coloca ali, sutilmente para nós: "Deus achou graça em Noé; Deus se agradou dele".
Mesmo quando a maldade impera, que é o contexto de Gênesis 6, Noé se distancia dela e se destaca aos olhos de Deus. E eu quero crer que isso é mérito da bênção de seu pai. Do desejo de seu pai. De como Lameque impregnou seu filho com a ideia do descanso, do remanso, da paz. Em tempos de escuridão, incutir esse sentido na vida da juventude é tarefa de gente que já entendeu que não existe outro caminho. Estamos preparando nossos filhos e filhas para a vida ou só para o mercado de trabalho? Quando se trata de pensar na vida deles, pensamos em como se sustentarão financeiramente ou como enfrentarão um mundo de caos, no qual não há um justo sequer?
Com Noé, a terra encontrou alívio. Como um protótipo do próprio Cristo, a obra de salvação efetuada por Noé mudou o rumo dos acontecimentos. Deus aspirou o cheiro do sacrifício depois do dilúvio e disse: "O ser humano é mau no íntimo desde pequeno, mas eu nunca mais amaldiçoarei a terra por causa dele" (Gn 8.21). Por causa de Noé, houve um tempo de paz e de novas possibilidades.
Apesar da maldade que reina no mundo, eu quero abençoar as minhas filhas. Pensei nisso quando dei nomes a elas. Intencionalmente, eu quis nomes que indicassem a elas que não importa o que aconteça, eu as vejo como dignas de amor e como presentes de Deus para mim. Sei que tenho muitas falhas como mãe. E que ainda tenho uma jornada para completar. Queria ter feito muita coisa diferente. Mas de uma coisa elas podem ter certeza: quando elas nasceram, assim como Lameque, tudo o que eu quis é que esta terra fosse mais abençoada por causa delas e para elas.
Ler a história de Noé me lembrou de que Deus tem prazer em acolher as palavras de bênçãos que proferimos e transformar a história das pessoas a quem amamos. Ainda que o passado de Lameque tivesse sido duro e difícil, que ele percebesse a dor de viver numa terra amaldiçoada pelo pecado, ele creu na graça de Deus e profetizou sobre seu filho um tempo novo.
Sem conhecer Jesus, Lameque desejou tudo isso. Agora então, no tempo da revelação de Cristo, em que tudo é muito mais fácil de ser compreendido e o acesso a Deus é direto por meio de seu filho e nosso irmão mais velho, quanto mais eu e você podemos viver vidas abençoadas!
Deus quer nos abençoar. Jesus proveu os meios para isso. Eu me alegro todos os dias, quando penso que, nas minhas dificuldades, existe alguém que me dá a mão e me sustenta. Quero muito que você possa experimentar isso também. O amor de Deus, em Cristo, está acima de qualquer maldição ou pecado. O amor de Deus, em Cristo, renova tudo. (Bispa Hideide Brito Torres)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isaías 6.1-8 A brasa do altar

Os quatro pilares de uma igreja saudável (Atos 2.42)

A lagarta e a borboleta (uma história para o culto infantil), de minha autoria