Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2008

Em busca do verdadeiro amor

Graham Horley, da Inglaterra, escreveu certa vez em No Cenáculo: “O amor nos transforma. Podemos identificar as pessoas que começaram um novo romance pelos seus sorrisos, pelo aumento da sua energia e pelo modo como querem falar constantemente sobre o novo amor em suas vidas. (...) Nós demonstramos o nosso amor pelas outras pessoas de muitas maneiras: algumas pequenas, outras mais significativas. Mas Deus não demonstrou Seu amor por nós dando-nos um ramalhete de flores ou uma caixa de chocolates. Ele fez isso dando-nos Jesus Cristo para morrer em uma cruz. Essa é a extensão do Seu amor por nós. Quando nossas raízes aprofundam-se nesse amor, somos fortalecidos e o amor de Deus se revela em nossas ações. Somos transformados, transformadas.”
Todas as pessoas têm necessidade de amar e ser amadas. Elas buscam o amor de várias formas em suas vidas: nas amizades, na família, no trabalho, no namoro, noivado, casamento, nos filhos, nos netos e até nos bichos de estimação. Ao falar sobre relacio…

Resoluções de ano novo (Salmo 90)

Em todo ano novo, costumamos renovar nossas resoluções. São as coisas que queremos mudar em nossas vidas, projetos que queremos finalizar, situações e posições que almejamos alcançar e sonhos que pretendemos se tornem realidade.
O salmista tem uma resolução de vida que desejo tomar para mim em 2008: “Ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos corações sábios”. Há um hino que cantamos no louvor, o qual afirma: “Quero aprender com meus erros e não mais cometê-los”. Avançar no caminho da sabedoria e da santidade é isso: ter o alvo no alto, buscar crescer à estatura de Cristo, aperfeiçoar em nós seu caráter mais e mais.
Realizar sonhos, alcançar posições, adquirir bens e recursos, adquirir conhecimento... todos esses são alvos desejáveis, admiráveis e dignos, porém o cristão não pode esquecer que vive neste mundo à espera da eternidade. Tem de preparar sua vida, seu ser interior, sua alma para este instante eterno que se abre além. De nada adianta a uma pessoa ganhar o…

Uma prece de ano-novo (Salmo 20)

O ano-novo em Israel era um tempo muito fértil em celebrações, mormente pela solicitação da bênção divina para o novo ciclo tanto do plantio e da colheita, como do cuidado com os rebanhos e sua procriação, sem deixar de lado a organização da vida humana em termos de família e de estrutura social.
Neste contexto, encontramos o Salmo 20, um salmo que é entendido como uma liturgia em forma de oração, feita no período do ano-novo, em favor do rei, durante o culto festivo em que o próprio Deus era celebrado como rei (v.9: há uma possibilidade de tradução diferenciada das Bíblias na versão revista e atualizada, que seria: “Iahweh, salva-nos, ó rei, que nos ouve no dia em que clamamos!”).
A referência “salmo de Davi” nos indica não diretamente uma autoria, mas a que coleção o Salmo pertence ou que foi utilizado em homenagem à casa monárquica, o que também reforça seu conteúdo como um salmo real.

A bênção da esperança
Resposta em tempos de dificuldades, proteção frente aos perigos, forças para vi…

Eu quero chorar (Um texto antigo, mas ainda atual)

“Ó Senhor, Deus da minha salvação,
dia e noite clamo diante de ti.
Chegue à tua presença a minha oração,
inclina os teus ouvidos ao meu clamor.
Pois a minha alma está farta de males
e a minha vida já se abeira da morte.”
(Salmo 88.1-4)

Eu quero chorar quando as coisas não dão certo. Quando estiver cansada, doente, sozinha, quero que as lágrimas, os soluços digam a verdade sobre o que vai na minha alma. Quando me aproximar de Deus em oração, quero que Ele saiba exatamente quanta dor trago dentro de mim. Quero não sentir vergonha de pedir ajuda ao meu próximo, quero ter certeza de que minha irmã vai me ouvir com atenção e compartilhar comigo o fardo de minha vida.
Quero dizer aos quatro ventos que estou triste quando realmente estiver; mas também pular de alegria e cantar quando tudo for bem. Quero fazer tudo isso não por fazer, mas porque confio no poder curador de Deus para minha alma aflita. Porque penso que, se não disser com franqueza quantas coisas sinto, não poderei ser plenamente purifi…