Gente boa da minha vida

Estava eu conversando hoje com um colega pastor e de repente o assunto envolveu certas pessoas que me impressionam, pelas mais diferentes razões, em alguns momentos da minha vida. Foi engraçado pra mim ver a lista envolver pessoas tão distintas como o Moisés Coppe, com sua veia criativa e seu gosto pelas letras e o Western Clay Peixoto, com seu discurso justaposto à prática. Às vezes bem radical, mas sempre honesto e justo! Eu o admiro tanto que o convidei para ser o pastor do meu casamento, há 15 anos. Com ele muito aprendi, mais fora da sala do que dentro, até. Pessoas que me impressionaram com sua clareza argumentativa e conhecimento histórico, seu compitoromisso com as causas sociais, como o Adahyr Cruz e outras por sua calma e "pastoralidade", como o Olívio, da Carolina Menezes. Eles foram algumas das pessoas com quem convivi nos meus primeiros anos de estudos teológicos e com eles eu celebro, de fato, todos os professores, como o Clemir de Oliveira, Vasny Andrade e outros... Quando paro pra pensar, vejo que muita gente interessante, diferente e discordante me ensinou demais! Amo a variedade dos estilos. Sempre disse o quanto admirava a Rosangela Donato por sua paixão e vida de oração quando convivemos no Espírito Santo como colegas, ao lado de tantos outros igualmente admiráveis... E os novos pastores e pastoras? Escuto algumas de suas histórias e tenho vontade de conviver mais com eles e elas, pois dentre eles há diversos cujo frescor ministerial e cujo amor por Cristo são igualmente inspiradores quanto a experiência dos colegas mais "velhos de guerra". Nesses dias venho sendo tomada de certa nostalgia, de uma vontade de reconhecimento. Vejo tanta gente reclamando de tudo e acho mesmo que há muito o que reclamar mesmo, mas isso também tira da gente a capacidade da contemplação, a qual me é muito preciosa. Eu gosto de contemplar uma aula de teologia bem dada, como as do Paulo Roberto Garcia, ou uma discussão sobre uma lição de Escola Dominical ou de um livro com a Renilda Martins Garcia. Uma horinha conversando sobre o trabalho com as crianças com a Rute Noemi Souza, a Rosete Andrade, a Delma Paradela e toda aquela galera, rindo com a d. Phyllis Reily, meu Deus, que riqueza... até CD a gente fez... Meu Deus, que riqueza, repito, de gente boa que cruzou minha estrada. Bispo Nelson e seus escritos, CDs e mensagens, em meio aos quais tecemos uma amizade que já dura um tempo bom.
Todos os meus colegas de distrito, homens e mulheres de Deus em meio aos embates e desafios da caminhada... Colegas de trabalho, amigos, líderes... ando precisando declarar o quanto essa gente toda, que nem dá pra nomear a todos, significa pra mim. Cada um, em cada momento específico, me ensinou alguma coisa sobre Deus. Eu sigo sonhando com  esse lugar, esse espaço, esse ministério no qual todos nós possamos encontrar o espaço de respeito à toda essa diversidade. De muitos já discordei profundamente e amo na mesma intensidade. De outros tenho as mais delicadas lembranças. Alguns poucos conhecem bem fundo meu coração e também comigo têm seguros seus segredos... Alguns me acolheram em suas casas por longo tempo, meus guardiões, como o Moisés e a Bete, o Marlos e a Deire. Outros sem número eu acolhi. Gostaria que pudéssemos todos ter nosso lugar ao sol e à sombra, sem partidarismos igrejeiros que a ninguém edificam. Se as pessoas ao menos nos conhecessem realmente, por detrás dos títulos e obrigações, talvez descobrissem que somos gente bem legal, que ama e sofre pelo que faz, que anseia um mundo melhor, só que às vezes por estratégias diferentes... E justamente por isso poderíamos pregar um evangelho muito mais integral. Sinto falta de muitas dessas pessoas, pois a distância, o tempo e outras coisitas mais nos afastaram um pouco. Mas quero lhes dizer, a todos vocês, meus colegas, que os respeito pelas mais diversas razões. E que, se por acaso num concílio desses a gente discordar, é porque pensamos diferente, mas isso não quer dizer que não pensemos concordemente. Hoje eu vi isso, quando parei um pouco pra pensar... imagino se tivesse mais tempo... Desculpem, ando nostálgica, como disse. E ando ansiosa por, em toda essa sequidão ao nosso redor, semear um pouco de reconhecimento e gratidão.

Comentários

  1. Olá amiga! Fiquei feliz em participar dessa lista. Vc sabe que na minha vc também está. Sonho, igualmente, com essa comunidade de múltiplas cores e diversidade de vida... continuemos.

    ResponderExcluir
  2. A seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos... vamos construir este sonho!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O sonho de Jacó (Gênesis 28.12)

Isaías 6.1-8 A brasa do altar

Pagar o preço