Ministério pastoral: especial e essencial


Ser pastor e pastora é uma alegria, um privilégio e um desafio. A Igreja Metodista diz que para ser exercido ele requer vocação e reconhecimento. Vamos saber mais sobre isso à luz da Palavra e dos documentos da Igreja.

“O pastorado é um dentre os ministérios da Igreja. É uma instituição apostólica que consagra e ordena pessoas vocacionadas e reconhecidas pela Igreja. Esse ministério, desde o Novo Testamento, passando pela Reforma até hoje, está voltado para a unidade do corpo de Cristo, para a correta ministração dos sacramentos, para o zelo na pregação da palavra. além de outras tarefas pastorais”. É assim que o Colégio Episcopal da Igreja Metodista definiu, na carta Dons e ministérios, espiritualidade e serviço, publicada em 1997, na página 20, como entende o ministério ordenado.
Homens e mulheres são chamados por Deus para perto de si. Todos eles e todas elas são convidados igualmente à salvação e ao serviço. Porém, cada pessoa é enviada ao serviço de Deus conforme o dom que recebeu e que desenvolve. A diferença entre as pessoas, portanto, não é quem é superior ou inferior, mas o tipo de serviço a que cada uma é enviada.
O pastor ou pastora que quer exercer bem o seu chamado deve compreender que existem dois critérios básicos para exercer seu dom, de acordo com a orientação da Igreja, inspirada nas Escrituras: vocação e reconhecimento.

A vocação
A vocação é mais do que aquele desejo pessoal que expressamos: “Eu sinto que Deus está me chamando para o ministério”. Já fui convencida de que na verdade, recebemos um envio, não um chamado.
O chamado é para estar com o Senhor, o envio é nosso serviço ao mundo. Estou mudando minha linguagem de: “Eu tenho um chamado” para “Eu recebi um envio”. Isso me faz pensar que não tenho exclusividade ou posse do ministério pastoral. Antes, ele é uma concessão de Deus para mim, uma oportunidade recebida para cuidar de pessoas. Se eu não estou com o Senhor (chamado) então não exercerei bem o serviço (envio). Há uma mutualidade aí que não podemos negar.
A vocação é fruto dessa relação com Deus. Em Isaías 6, vemos que é da relação e do encantamento do profeta com Deus, seu preenchimento pela presença divina, que o faz ouvir a voz de Deus: a quem enviarei? E então ele consegue responder: “Eis-me aqui, envia-me a mim”.
Temos de reconhecer que muitas vezes estamos sob o encanto da instituição, do título, da oportunidade de estar à frente de alguma coisa e não sob o maravilhamento da presença de Deus que nos evoca ao serviço. Por isso é que depois de algum tempo, podemos encontrar frustração e aborrecimento ao invés de plenitude. Porque os títulos não sustentam o envio. O dinheiro não sustenta o envio (não mesmo!). Nosso ego não sustenta o envio. O que sustenta o envio é o chamado: “Eu te escolhi, eu te designei para que você vá e dê muitos frutos”. Quando a comunidade vê os frutos, ela reconhece a vocação.

O reconhecimento
O reconhecimento confirma a vocação, porque o pastorado não é uma tarefa de um só. E ele também não acontece só quando a Igreja nos envia para o seminário ou para qualquer tipo de formação específica.
O reconhecimento precisa acontecer a cada momento, para que possamos nos manter no foco ministerial. Ele passa pelos critérios de avaliação da igreja, passa pelos concílios locais, distritais e regionais. Tem a ver com a nossa eleição ou indicação para cargos e funções outras, nos níveis de representação da igreja. Mas compreenda: essas coisas são não a essência do reconhecimento do ministério pastoral que exercemos! A Bíblia diz que nossos frutos são nossa credencial de reconhecimento.
Um pastor ou pastora precisa sempre manter o foco de sua tarefa: precisamos manter o corpo unido. Um pastor ou pastora que age mediante partidarismos frutos de seu egocentrismo desintegra o corpo. Nossa vaidade pode ser nosso calcanhar de Aquiles. Temos de cuidar disso com seriedade! Outro ponto é que temos de ministrar corretamente os sacramentos. Isso tem a ver com o uso do ritual? Sim, mas vai além. Precisamos ajudar as pessoas a compreender a profundidade do batismo e da Ceia do Senhor na sua vida espiritual. O ensino deve ser constante e qualificado.
Também precisa haver zelo na pregação. João Wesley falava da seriedade nos estudos e na meditação para garantir profundidade na mensagem. Ênfase na necessidade do arrependimento e da justificação pela fé muito mais do que em bênçãos e vitórias.
E a gente ainda tem muitas outras tarefas pastorais. Ufa! Nem sempre o reconhecimento vem na hora. Mas a vocação sustenta essas fases. O chamado de Deus consola e conforta. E vamos de fé em fé!

Comentários

  1. Que texto lindo Bispa!Fiquei emocionada.Abraços

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto!! Exercer o pastorado é uma benção vivenciada em meio a flores e dores. É um privilégio, todavia, penso que deveria haver por parte da instituição um cuidado maior para quem cuida!! Mas, um dia chegaremos lá!! Estamos avançando.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Isaías 6.1-8 A brasa do altar

O sonho de Jacó (Gênesis 28.12)

Pagar o preço