Postagens

Mostrando postagens de Março, 2008

Se eu quiser falar com Deus (uma resenha para os alunos do curso de Cultura Religiosa)

Se eu quiser falar com Deus, de Gilberto Gil, é um clássico da música popular brasileira, escrita em 1980, segundo o próprio autor, a pedido de Roberto Carlos, que terminou por recusar a obra por não compartilhar da mesma idéia de Gil sobre Deus. O poema possui 36 versos, nos quais o autor enumera uma série de ritos ou atitudes que deve tomar para conseguir acesso a Deus. Esses ritos ou atitudes são apresentados em caráter de exigência, dado pela expressão “Tenho que”, que implica necessidade, diretivas, postulados (e não sugestões ou possibilidades). Sinalizam algo que deve realmente ser feito, sob o risco de não conseguir falar com Deus. Por outro lado, Gil não apresenta a origem dessa exigência (Vem dele mesmo? Vem de Deus? Vem de uma religião estabelecida?), deixando-a subentendida ou a critério do leitor da letra ou ouvinte da melodia.
Do mesmo modo, ele não aponta a resposta divina em nenhum momento. Todos os ritos pontuados são para que ele possa falar com Deus, dando a idéia de…

Nem a morte o segurou

Como a morte poderia segurar o Criador da vida?
Como o limitado poderia ousar deter o ilimitável?
Quando na manhã do domingo romper a aurora
Quando o sol lançar seus primeiros raios sobre a terra
Ele abrirá seus olhos eternos e mais uma vez se porá de pé!

E será que o inferno ruirá abaixo de seus pés
E será que o céu romperá em folguedos diante de sua face
Todos os anjos, e arcanjos e querubins e serafins
Rompendo em gritos diante do trono do Pai
Dizendo, com espanto e assombro, com adoração e louvor:
Ele está vivo! Ele está vivo! Jesus triunfou!

E no seio da terra, no sepulcro selado,
A pedra revolvida, os guardas em pânico
Da morte recente só sobram alguns panos de linho
Jogados pelo chão, esquecidos para trás
Porque ele abriu seus olhos eternos, contemplou a vitória
E se pôs de pé!

E o diabo, arrasado e caído, nunca mais se levantará
E a morte, finalmente vencida, não nos pode mais intimidar
A vida ultrapassa as fronteiras da existência, pois Cristo está vivo
E vivo como está, nunca mais a morte outra…

A paixão de Cristo, uma história de amor

Imagem
Todas as pessoas neste mundo vivem em busca de um grande amor.
Este amor tão grande que todos anseiam tanto...
É por isso que queremos ser amados por alguém.
Pelo pai, pela mãe, pelos irmãos, pelos amigos...
Queremos alguém com quem viver um grande amor,
Alguém que esteja lá por nós, para nós!
Uma mão que esteja estendida, um abraço que acolha,
Um sorriso que perdoe... simples coisas, um grande amor.

Eu também vivi em busca de um grande amor.
Eu estava sozinho, acima das águas escuras, dentro de uma escuridão sem fim.
Eu estava sozinho lá, quando tudo começou.
Era tão solitário, tudo tão sem forma e vazio...
Eu quis iluminar minha existência trazendo um clarão de energia,
E então disse: Haja luz!
Mas a luz, embora boa e bela, não era o bastante.
Eu queria viver um grande amor...

Eu fiz estrelas, e sóis, e luas, muito mais e além do que olhos pudessem ver
Na plenitude do espaço sideral sem fim.
Criei montanhas, vales, desertos, mares e lagos
Fiz peixes e aves, répteis e quadrúpedes
E embora tanta variedad…

A dança e a música (sermão de casamento do Fabrício e da Fernanda)

Imagem
Andarão dois juntos se não houver entre eles acordo? (Amós 3.3)

Estando hoje diante de vocês, um músico e uma dançarina de Deus, que se unem no casamento, só pude pensar que pelo menos neste ponto vocês já começam bem: ambos conhecem o ritmo, possuem uma relação íntima com a melodia, sabem contar os tempos e reconhecer as notas. A vida tem que ter musicalidade. Uma vida sem música é uma vida sem poesia. Quando Erasmo de Rotterdan disse que “o amor ensina música”, deve ser porque muitas das melodias mais lindas deste mundo nasceram no coração de pessoas apaixonadas. Gente que soube amar profundamente, quer esse amor fosse por outra pessoa ou mesmo pela vida, pelas coisas bonitas que podemos ver ou até mesmo o amor pela música em si. É verdade, a música é assim mesmo, sobrenatural, divina como nosso Senhor, pois com apenas sete notas se fazem todas as melodias que existem e aquelas que virão a existir e, mesmo assim, as músicas conseguem ser tão completamente distintas entre si.
Beethoven…

Restaura, Senhor, a nossa sorte! (Salmo 126) - Publicado na Voz Missionária

Introdução
De 13 a 20 de maio de 2007, nossa Igreja realizou uma semana de intensas atividades, chamada Semana Wesleyana, à semelhança da que acontece em diversas esferas de nossa Igreja, inclusive na Faculdade de Teologia. Seria um tempo de evangelismo, celebração, capacitação, comunhão, ação social, lazer e muito mais. Animados e desafiados, meu esposo e eu, como pastor e pastora, nos engajamos profundamente no projeto.
E no domingo do dia 13, quando iríamos receber o bispo para abrir os eventos, celebrando, inclusive, o aniversário da Igreja, eu quebrei o meu pé ao tropeçar com a sandália. Sem perceber que meu pé havia “adormecido”, caminhei e virei o tornozelo. Que chateação, que complicação!
Agora, a semana já acabou e até mesmo atrasei-me uns dias na entrega deste texto para a Revista Voz Missionária. Enquanto escrevo, sinto o peso do gesso em meu pé. Tive de me adaptar a uma muleta e à constante necessidade de pedir ajuda às pessoas. Porém, esses dois fatores são inevitáveis para …

Esta foi a ministração que fizemos na abertura do Acampamento de Carnaval 2008

Como é o chamado de Deus a mim e a você? Como percebê-lo? O que o define?
Deus chama para o relacionamento
O primeiro chamado de Deus na vida de um ser humano não é para uma missão, nem para uma vocação pastoral, nem para um ministério da Igreja. O primeiro chamado de Deus é para a comunhão, para o relacionamento.
Na vida, somos chamados de muitas formas. As pessoas nos identificam pelo número de nosso CPF, pelo RG, pelo número do PIS, pela ordem que ocupamos numa fila ou pelos parentescos que temos: a Maria do João, a Cidinha que é filha do Manoel... Deus não tem números para saber quem somos. Ele também não precisa de referências para nos identificar. Ele nos chama pelo nome e nos conhece. Ele sabe cada detalhe de nossa vida, quantas sardas temos no rosto, o grau de encravamento da nossa unha do pé!
Deus sabe de tudo isso porque ele quer se relacionar conosco e nos chama a ter um relacionamento com ele. Relacionamentos se baseiam em conhecimento. Deus conhece você e quer se relacionar c…